Diz-se que Heráclito assim teria respondido aos estrangeiros vindos na intenção de observá-lo. Ao chegarem, viram-no aquecendo-se junto ao fogo. Ali permaneceram, de pé, (impressionados sobretudo porque) ele os encorajou a entrar, pronunciando as seguintes palavras: 'Mesmo aqui, os deuses também estão presentes'. (Aristóteles. De part. anim. , A5 645a 17ff).

quarta-feira, outubro 18, 2006

Porque as coisas passarão...

... eu passarinho.

Começo hoje parafraseando Mário Quintana porque a poesia salva e consagra o pensamento, erige-o.
Sim, as coisas estão acontecendo em minha vida de uma maneira antes insuspeita. Sim, estou em paz com tudo e com todos, porque amo de um amor sereno e livre. E, amando uma pessoa, amo o mundo inteiro.
Talvez pudéssemos fazer aqui uma metafísica do amor, mas a metafísica anda em declínio por estas bandas. E é bom que esteja. Toda metafísica anula, dilacera em função do sistema e das crenças prévias. Toda metafísica tolhe o espaço da liberdade e da criatividade. E o amor não cabe em sistemas. O amor não pode ser contido na instância das crenças, experiência única de liberdade que é.
Lembro-me de Heidegger (pra variar): liberdade é deixar-ser! No deixar-ser o encontro do que vem ao encontro. Neste caso a pessoa mais linda e profunda que pude sonhar! O outro. Íntegro, forte, pleno...
Estou feliz porque sou mais eu mesmo do que nunca! Porque a base de toda ética é a veracidade, e já não minto. Iludo-me, talvez. Mas, iludir-se é estar no jogo (in-ludere), e isto é a única coisa que realmente importa: o lúdico.
O óbvio do poema de Quintana é que tudo passa, mas eu permaneço intacto, livre como um passarinho. Elas (as coisas) passam por mim, mas não me prendem em seu visgo. Ao contrário, ainda mais me libertam inclusive de mim mesmo. Já não estou só.
Claro, a solidão existencial sempre persiste. É bom que seja assim. Ainda sou o mesmo. E é como se nunca houvesse um tempo anterior a este que vivo agora. As coisas passarão...
Beijos.

1 comentários:

Lara disse...

Sem comentarios...
Belo!

beijos Poeta!